terça-feira, 25 de dezembro de 2012




Um pequena reflexão sobre o Natal
Mercêdes Pordeus
Recife/Brasil


E chega mais um Natal! Natal? O que é mesmo o Natal?
A cada ano que passa o verdadeiro sentido desta data vai desvanecendo, vai se perdendo no tempo.
Tempo! Ah! Tempo que só nos deixa a saudade. Saudade do que não fomos, não pudemos ser, não soubemos ser...
A data máxima da Cristandade nos faz refletir.
Refletir sobre nosso egoísmo, nossa falta de fraternidade, sobre as perdas que chamam "necessárias", gostaria bem que fossem desnecessárias que não acontecessem, mas por que essa reflexão só tem que vir à tona a essa época?
A humanidade já nem sabe se comemora mesmo a data do nascimento de Cristo, ou se não passa de mera convenção. As guerras assolam o mundo, os homicídios são fatos banais e corriqueiros, as vidas que Cristo veio para resgatar, essas já não têm nenhum valor entre os irmãos.
Resgate, sim que linda palavra ainda mais quando se trata da Redenção da nossa alma, mas que alma? O homem já nem se lembra que a tem!
Natal, reflexão, fraternidade são vividas a cada dia, ou pelo menos deveriam ser, isso é o Natal que nosso Redentor gostaria de ver na Terra.
Músicas natalinas, até mesmo os comerciais de nossa infância nos trazem nostalgia, o que os nossos filhos já não conseguem ouvir como as lindas músicas natalinas nas televisões e radios de antigamente.
O que vemos hoje é inadmissível, em se tratando do espírito natalino.
Outro dia assisti a um programa com lindos coros entoando cânticos de rara beleza, e logo após uma repórter dizia: saindo agora do clássico, vamos ao sambódromo, dando aí o início de ensaios de escolas de samba, o popular.
Não se sabe mais onde começa ou termina a festa do Nascimento de Cristo e começa uma manifestação profana tentando ou mesmo se infiltrando no Natal.
Eu disse acima onde termina o natal... Enganei-me. O verdadeiro natal nunca deveria se acabar para esperar o outro um ano mais à frente. Tinha mais era que continuar na busca da paz interior, eu comigo mesmo, eu com os outros (o mundo) e eu com Deus.
Ele é feito de atitudes diárias e constantes. Por exemplo, passo todos os dias pelas ruas da cidade e pelas pontes onde estão ali pedintes sedentos de um gesto de carinho, de um pão. Todos os dias ali e nunca lhes dei nada do que humildemente me pedem.
Ah! Mas hoje é natal, e além do mais essa moedinha não vai me fazer falta mesmo, por que não jogá-la até de modo desprezível na sua latinha...E assim são tantas outras atitudes que ficam latentes um ano inteirinho para se manifestarem no natal até mesmo de forma errônea.
É isso que se pensa de uma data tão importante para o Cristianismo?
É apenas uma reflexão! É o que vemos no nosso dia a dia.
E é com ela que termino desejando um Feliz Natal a todos, a toda a humanidade, que as guerras pela ganância pelo poder e outros motivos terminem dando lugar a paz e que possamos conviver diariamente como irmãos, na busca constante do bem do outro, possamos assim direcionar nossos pensamentos ao Criador que nos deu o seu Filho para sofrer por nós tudo o que não teríamos forças para sofrermos calados, aquele que nos redimiu diante do Pai. 

Não esqueçamos nossos irmãos menos favorecidos que precisam de nós e a quem podemos ajudar material e emocionalmente.
Deus abençoe a todos neste Natal que se aproxima e faça de suas vidas um eterno NATAL, cada dia seja comemorado o nascimento do amor e paz em nossos corações, porque Cristo é amor.

FELIZ NATAL para todos!




CHEGOU O NATAL
Mercêdes Pordeus
Recife/Brasil

E MAIS UM NATAL!…

Mais uma vez é NATAL, data em que se convencionou o Nascimento de Cristo. Momento de reflexão? Sim. Como deveriam ser todos os dias do ano.
A humanidade se mobiliza, vamos comprar presente, preparar a Ceia de Natal… que pena! Que pena que não seja sempre NATAL na vida de todas as criaturas de Deus, de todos os irmãos de Cristo.
Que não nos lembremos dos que sofrem num leito de hospital, daqueles que não têm um pão para comer, enquanto muitas vezes de tão fartas nossas mesas, damo-nos ao luxo de jogar comida fora.
É lamentável, que tanto nessa época como durante todo o ano vejamos guerras eclodirem, a sede do poder aguçada destruindo e mutilando vidas.
Que possamos fazer de nossas vidas o NATAL constante, no verdadeiro sentido da palavra.
Que possamos nos dar as mãos e cirandar cantando a canção do amor, da paz, da fraternidade, da piedade.
Comecemos então hoje e vamo continuar entoando esse lindo canto durante anos consecutivos.

CHEGOU O NATAL!

Mais uma data máxima da cristandade se aproxima, mais um NATAL!
O Rei foi esperado com muita ansiedade, nasceria em berço ouro?
Teria como origem a realeza, todos o cultuariam, pois seria um rei.
Nasceu o Rei, ao invés de realeza, originou-se de uma família simples.

Ao invés de um palácio, nasceu numa manjedoura. Seria Ele o Salvador?
O homem, desde os primórdios, apesar da inteligência não o aceitou.
Mas era o grande advento, o Salvador do homem, e era seu irmão!
Mal nascera, sofria a perseguição desenfreada do faraó, veio o exílio.

Crescia o Menino Jesus em estatura e sabedoria, filho de carpinteiro
e de uma mulher simples e pura, escolhida para ser sua mãe: Maria.
Veio Jesus para nos ensinar o Evangelho, que é a forma do bom viver.
Seria tão fácil se os homens tivessem aceitado o seu amor incondicional.

Coloquemo-nos diante de uma simples manjedoura, e numa reflexão.
Pensemos no Menino Jesus ali… ladeado por de seus pais, pastores, reis,
e vamos recebê-lo como quem recebe a PAZ almejada pelos homens.
Contemplemos esta cena, e nela nos coloquemos para sentir o NATAL

O advento de Cristo, que veio para os seus e estes não o receberam.
Que possamos cultuá-lo durante os trezentos e sessenta e cinco dias
E com Ele cearmos, para então compreendermos o sentido do Natal
Espalhando pelo mundo a semente do amor, uma semente que brote.

E brotando, frutifique plenamente banindo do mundo as guerras
As perversidades, o ódio entre irmãos, pais e filhos as nações
Este é o verdadeiro sentido natalino que deve no mundo reinar.
E nascer nos nossos lares, no nosso cotidiano, frutificar.

À medida que no nosso coração a paz faz moradia
Neste momento memorável, vamos nos dar as mãos e cantar
A vida, o amor, o advento de Cristo nosso Senhor festejar.
Todos em uníssono, unidos glória a Deus em hino entoar.

Ao Senhor JESUS bendizermos e o Seu nome sempre louvar
Libertos da escravidão, pois o menino Jesus veio nos salvar.

Dez.2005